Isolamento da área de produção, instalação de telas, uso de um único acesso às granjas e áreas de desinfecção na entrada são algumas das ações recomendadas por pesquisadores da Embrapa Suínos e Aves (SC) para que a produção de ovos fique livre de doenças e possíveis contaminantes.

A biosseguridade é questão fundamental para a qualidade e segurança da produção, para a viabilidade econômica e para a garantia da competitividade das granjas de postura comercial.

As ações elaboradas ou validadas pela pesquisa estão disponíveis na cartilha Requisitos básicos de biosseguridade para granjas de postura comercial. Elas reforçam e ampliam as recomendações da legislação brasileira estabelecidas pelo Programa de Sanidade Avícola (PNSA) do Ministério da Agricultura.

O PNSA estabelece as normas de regulamentação da produção avícola nacional e de vigilância epidemiológica e sanitárias para a Doença de Newcastle (DNC), Influenza Aviária (IA), Salmoneloses e Micoplasmoses, consideradas as principais doenças aviárias.

 

Isolamento é fundamental

A desinfecção na portaria de acesso à granja tem que ser respeitada também. As opções para a instalação de um sistema podem variar desde um arco de desinfecção, bomba de aspersão motorizada ou outro método capaz de garantir a higienização e desinfecção de veículos.

Todos esses métodos de desinfecção e sanitização podem ser validados e testados por várias metodologias.

 

Ações e procedimentos de rotina

Sabrina Castilho Duarte, pesquisadora da Embrapa Suíno e Aves, destaca medidas de prevenção estrutural, procedimentos de rotina e de final de lote, até a gestão da biosseguridade. “Para manter a produção protegida é preciso adotar as medidas e procedimentos e ainda verificar continuamente quais são os fatores de risco e em quais aspectos o processo deve ser revisto e melhorado. Assim, tudo precisa estar anotado, padronizado e internalizado por todos os envolvidos nos trabalhos na granja”, destaca Duarte.

 

Gestão de biosseguridade é fundamental na produção de ovos

Ao produzir quaisquer animais de produção, é preciso estar ciente da necessidade de adoção das medidas de biossegurança. “O programa estabelecido deve ser constantemente planejado, revisado e inspecionado”, enfatiza Sabrina. Todas as granjas devem ter um responsável, que garanta a aplicação correta dos procedimentos.

A procedência das aves é outro fator que impacta na biosseguridade das granjas. “É importante garantir que as aves sejam provenientes de fornecedores idôneos, com registro de qualidade sanitária das aves.” Em caso de ocorrência de enfermidades contempladas no PNSA, a notificação ao Serviço Veterinário Oficial deve ser realizada imediatamente.

Rocha et al. (2010) relataram a importância de BPP na granja e BPF no entreposto, levando em consideração elementos mínimos de inspeção necessários para manutenção da qualidade dos ovos:

 

  • Qualidade da água
  • Controle de qualidades e análises microbiológicas
  • Rastreabilidade
  • Higiene e saúde dos funcionários
  • Higienização das instalações e equipamentos
  • Controle de pragas
  • BPF nas fábricas de ração