O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) confirmou no dia 04 de setembro de 2021 dois casos atípicos de encefalopatia espongiforme bovina (EBB), conhecida como a doença da vaca louca, em frigoríficos brasileiros.

 

A nota emitida pelo MAPA esclareceu que dois casos atípicos de EBB foram identificados em frigoríficos de Nova Canaã do Norte (MT) e de Belo Horizonte (MG) e a confirmação foi feita pelo laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em Alberta, no Canadá (AGÊNCIA BRASIL, 2021).

Todas as ações necessárias para a mitigação de risco foram tomadas e concluídas antes mesmo da emissão do resultado pelo laboratório, segundo o MAPA. Por isso, não há chance nenhuma de risco para saúde humana e animal, mantendo o risco de status sanitário do país como insignificante pra doença.

O Brasil é um dos principais exportadores de proteína animal para o mundo e por causa disso, por medida cautelar, o MAPA emitiu um Ofício (nº 67/2021) estabelecendo a suspensão provisória da Certificação Sanitária Internacional para a carne bovina brasileira a ser exportada para a República da China (BRASIL, 2021). 

 

O que é a doença da vaca louca ou encefalopatia espongiforme bovina?

 

Comumente conhecida como “doença da vaca louca”, a EEB é uma enfermidade degenerativa fatal e transmissível do sistema nervoso central de bovinos.

A EEB é caracterizada pela presença de lesões degenerativas no encéfalo, por um longo período de incubação (média de quatro a cinco anos) e pela quase total ausência de reações inflamatórias e imunológicas. Não possui predisposição por raças ou sexo, porém acomete principalmente os bovinos criados sob sistema de fornecimento de rações ou concentrados, como suplementação nutricional, devido ao risco de contaminação desses alimentos com subprodutos eventualmente infectados pelo agente da EEB.” (BRASIL, 2014, p.3)

Essa doença é causada por um príon, uma partícula proteica com características infecciosas, que pode resistir a processos químicos e físicos, incluindo radiação ultravioleta e congelamento (BRASIL, 2014). 

 

Por que os casos notificados são menos graves?

 

A doença da vaca louca tem duas formas de manifestação: clássica e atípica

A manifestação clássica é a forma mais preocupante e ocorre quando bovinos ingerem ração contaminada com príons. Essa forma se espalha rapidamente e já causou, nos anos 90, na Inglaterra, um surto que gerou muitas mortes. No Brasil, a manifestação clássica nunca foi detectada.

Em contrapartida, a forma atípica, que foi detectada nos frigoríficos brasileiros no início desse mês, ocorre espontaneamente nas populações de gado. Ou seja, essa forma está presente nas grandes populações de gado em uma proporção baixíssima que acaba só sendo identificada devido aos diversos procedimentos de vigilância intensiva. 

 

Referências Bibliográficas

AGÊNCIA BRASIL. VERDÉLIO, A. Ministério confirma casos de vaca louca em Mato Grosso e Minas Gerais. Brasília, DF, 2021. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2021-09/ministerio-confirma-casos-de-vaca-louca-em-mato-grosso-e-minas-gerais Acesso em: 12 de setembro de 2021

BBC BRASIL, 2021. Vaca louca: por que novos casos no Brasil são menos graves que epidemia letal dos anos 1990. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-58466749. Acesso em: 12 de setembro de 2021

BRASIL, MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Sistema Brasileiro de Sistema Brasileiro de Prevenção e Vigilância Prevenção e Vigilância e Vigilância da Encefalopatia Encefalopatia Espongiforme Espongiforme Espongiforme Bovina (EEB). Brasília, 2014. Disponível em: https://www.agricultura.rs.gov.br/upload/arquivos/201701/09154734-pneeb-cartilha-eeb-nova-abr14.pdf. Acesso em: 12 de setembro de 2021

BRASIL, MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. OFÍCIO-CIRCULAR Nº 67/2021. Bovinos – República Popular da China – Suspensão Cautelar e temporária da Certificação Sanitária. Brasília, DF. Disponível em: https://bichosdecampo.com/wp-content/uploads/2021/09/Ofi%CC%81cio-Circular-67.2021.DIPOA_.SDA_.pdf. Acesso em: 12 de setembro de 2021

FOOD SAFETY BRAZIL. SAVIA, D. B. A doença da vaca louca está mesmo de volta? Disponível em: https://foodsafetybrazil.org/a-doenca-da-vaca-louca-esta-mesmo-de-volta/. Acesso em: 12 de setembro de 2021.